Fotografo: Foto: Rogério Florentino/ Olhar Direto
...
Sem Legenda

O juiz Jamilson Haddad Campos, da Vara Especializada de Violência Doméstica de Cuiabá, proibiu o que o advogado Cleverson Contó se aproxime (menos de 500 metros) da empresária Mariana Vidotto.

Decisão foi assinada na última quarta-feira (16) e tem validade por seis meses.

Cleverson Contó é acusado pela prática de ameaça, injúria, estupro, denunciação caluniosa e difamação.

Em caso de descumprimento da decisão judicial, o advogado pode ser preso preventivamente.
 
Na decisão do juiz Jamilson Haddad, há ainda proibição de contato com Vidotto e familiares da vítima, por qualquer meio de comunicação.

O acusado também está proibido de frequentar o trabalho da empresária.
 
“Compulsando os autos, verifico pelo boletim de ocorrência e demais depoimentos aportados indicam, nesta sede de cognição sumária, a existência de violência doméstica e familiar contra a mulher”, explicou o magistrado em sua decisão.
 
Defesa nega
 
O advogado Eduardo Mahon, responsável pela defesa de Claverson Contó, apresentou recentemente uma representação criminal junto à Delegacia Especializada de Violência Doméstica de Cuiabá em favor de seu cliente.
 
Ele acusa Mariana Vidotto de extorsão e denunciação caluniosa

Fonte: Da Redação - Arthur Santos da Silva/olharjurídico

Cooperador  Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com
Cuiabá e Municípios da Grande Baixada Cuiabana.
E.mail . Jornal.int@gmail.com.br
Site www.brasilintegracao.com.br