0

Fundado aos 12 de janeiro de 1970; Pelo Jorn Narciso Honório Silveira

Cidadão Repórter

(66)984060008
Cuiabá(MT), Quinta-Feira, 21 de Janeiro de 2021 - 08:32
03/01/2021 as 10:47 | Por ISTOÉ | 70
MG: Investigação aponta que família usava pensão de R$ 8 mil de mulher escravizada
A renda de R$ 8,4 mil, oriunda de um casamento com um ex-combatente da Segunda Guerra Mundial
Fotografo: divulgação
Sem Legenda

As investigações do caso de Madalena Gordiano, mantida em condições análogas a escravidão por 38 anos, apontam que a pensão que a empregada recebia foi usada pelos patrões para financiar a vida da família Milagres Rigueira durante 17 anos.

A renda de R$ 8,4 mil, oriunda de um casamento com um ex-combatente da Segunda Guerra Mundial, também financiou o curso de medicina de um dos familiares. As informações são do Uol.

Conforme os investigadores, o montante que Madalena deveria receber era administrado por Maria das Graças Milagres Rigueira e o filho, Dalton César Milagres Rigueira.

Madalena casou-se com Marino Lopes da Costa em 2001. O ex-combatente é tio de Valdirene Lopes da Costa, esposa de Dalton. Em 2003, Marino morreu aos 80 anos e Madalena passou a receber duas pensões.

Em 2008, o matrimônio foi alvo de denúncia, mas o processo foi arquivado em 2015 por falta de provas. Conforme a ação, Maria das Graças teria organizado o casamento de Madalena com o tio de Valdirene já ciente da saúde debilitada do ex-combatente para ficar com a pensão.

As investigações apontam ainda que o dinheiro foi usado para pagar a faculdade de Vanessa Maria Milagres Rigueira, irmã de Dalton, que se formou em Medicina em 2007.

O irmão de Vanessa passou a administrar o dinheiro de Madalena e chegou a fazer empréstimos consignados em nome da empregada.

Para o MPT, a renda da família sem a pensão de Madalena é incompatível com os bens e a vida que eles levam. Procurado pelo Uol, o advogado da família Milagres Rigueira, Brian Epstein disse em nota que ainda não teve acesso aos autos do processo.

A defesa também informou que os familiares “estão abalados pelo acontecimento e preferem se manter em silêncio”.

Relembre o caso

Madalena Gordiano foi libertada em novembro deste ano por agentes da Polícia Federal e auditores fiscais do trabalho.

A doméstica vivia em uma espécie de cárcere privado em Patos de Minas (MG) com direito a vigilância dos patrões.

Com os passos vigiados e comandados por seus antigos patrões, Madalena contou ao Fantástico, da TV Globo, que ainda tem dificuldades para fazer coisas simples para a maioria das pessoas.

Agora, Madalena também aproveitou para retomar os estudos e revelou que apesar se tudo continua carinhosa: “Muito, aqui dentro [põe a mão no coração] eu sou demais”.

Fonte; ISTOÉ

Jornalista:  Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com
E.mail . Jornal.int@gmail.com.br    
Site www.brasilintegracao.com.br
feccebook  brasilpolicial@gmail.com




Notícias Relacionadas





Entrar na Rede SBC Brasil