Fotografo: Ilustração
...
Sem Legenda

O impacto da pandemia no mercado de trabalho fez com que a diferença da taxa de desemprego entre brancos e pretos aumentasse e atingisse seu maior nível desde 2012, quando começou a atual pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Segundo especialistas consultados pelo UOL, isso aconteceu porque a crise provocada pelo coronavírus atingiu principalmente atividades econômicas com maior participação de negros, como comércio e construção civil.

No segundo trimestre deste ano, o primeiro completo sob os efeitos da pandemia, a taxa de desemprego geral ficou em 13,3%, segundo a Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua do IBGE.

Ao analisar o dado de acordo com a cor da pele, a taxa de desemprego de pretos ficou em 17,8%, de pardos, 15,4%, e de brancos, 10,4%.

"Os setores onde está tendo a maior quantidade de perda de vagas, maior aumento de desemprego, são setores onde majoritariamente estão os negros. São setores com os piores salários.

O comércio é um setor que não paga bem, e onde a maioria são negros", afirma Mário Rogério Silva, economista do Ceert (Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades).

Para o economista Marcelo Neri, diretor do FGV Social, o aumento da diferença "com certeza" está ligado aos setores mais afetados pela pandemia.

"Por exemplo, o trabalho doméstico, que tem uma participação de mulheres negras muito forte. Ou o setor de serviços", diz.

Construção e comércio foram muito impactados

De acordo com o IBGE, todos os setores analisados pela pesquisa tiveram queda no número de trabalhadores empregados no segundo trimestre, em comparação com o primeiro.

Alguns, porém, foram mais impactados. O instituto destaca os setores que mais tiveram perda de trabalhadores, do primeiro para o segundo trimestre deste ano.

Comércio: menos 2,1 milhões (-12,3%)

 

Alojamento e alimentação: menos 1,3 milhão (-25,2%)

Serviços domésticos: menos 1,3 milhão (-21,1%)

Construção: menos 1,1 milhão (-16,6%)

A participação de negros no setor de comércio, por exemplo, é de 45,2%, contra 44,2% de brancos, de acordo com dados do Ceert com base na Rais (Relação Anual de Informações Sociais) de 2018, do IBGE.

Na construção essa diferença é maior: 50,2% de negros, enquanto 37,4% são brancos.

A participação de negros no setor de comércio, por exemplo, é de 45,2%, contra 44,2% de brancos, de acordo com dados do Ceert com base na Rais (Relação Anual de Informações Sociais) de 2018, do IBGE.

Na construção essa diferença é maior: 50,2% de negros, enquanto 37,4% são brancos. Como comparação, áreas com melhores salários e condições de trabalho costumam ter maior participação de brancos, de acordo com o economista do Ceert.

É o caso de bancos, que possuem 76,2% de brancos contra 23,1% de negros, e de empresas aéreas, onde a relação é de 68,9% para 29,7%.

Com informais, diferença seria maior Esses números levam em conta apenas trabalhadores com carteira assinada. Se fossem incluídos os informais, a diferença entre os grupos poderia ser ainda maior.

"Os negros são os que mais sofrem com a informalidade", afirma Mário Rogério Silva. "O setor informal, de uma maneira geral, foi mais afetado do que outros segmentos.

O setor de serviços, de comércio, que abriga boa parte da informalidade e da baixa renda, (foi impactado) por causa do isolamento social", diz Marcelo Neri,-.

Desemprego é só 'a ponta do iceberg'

Marcelo Neri destaca, porém, que a taxa de desemprego é apenas "a ponta do iceberg". Outros indicadores de trabalho evidenciam como pretos e pardos (que compõem a população negra, de acordo com as estatísticas oficias) foram mais impactados do que brancos pela pandemia.

A renda, o número de horas trabalhadas e a taxa de participação no mercado de trabalho também caíram mais para esses grupos do primeiro para o segundo trimestre do ano, de acordo com os dados da FGV Social, com base na Pnad Contínua:

Renda

Pretos: -21,8%

Pardos: -21,4%

Brancos: -20,1%.

Horas trabalhadas

Pretos: -16,9%

Pardos: -15,2%

Brancos: -13,1%

Taxa de participação no mercado

Pretos: -9,3%

Pardos: -9,8%

Brancos: -7,2%

"São uma série de efeitos ligados ao esforço de trabalho que se somam. Não é só o desemprego. O desemprego (significa que) tem menos gente no mercado.

Mais pretos e pardos saíram do mercado, e aqueles que continuaram no mercado, trabalharam menos horas", afirma Neri.

"São diferenças de 2 ou 3 pontos percentuais, mas que vão se acumulando. Você vai ver que a diferença (entre negros e brancos) não é de 1,5 (ponto percentual). A diferença é de 5, em termos do esforço de trabalho."

Diferença ainda deve aumentar

Para os economistas é provável que a situação piore ainda mais em um futuro próximo. Marcelo Neri diz que o aumento no desemprego poderia ser ainda maior se não fosse a medida emergencial do governo que permitiu que as empresas reduzissem a jornada e salário de parte de seus funcionários, como contrapartida para manutenção dos empregos. A medida, porém, é temporária.

"Talvez esses efeitos (no mercado) que a gente esteja vendo agora, que são efeitos muito fortes, sejam só o começo. A gente fala 'a taxa de ocupação caiu 9,9% (no segundo trimestre), nunca caiu tanto'.

Mas se a jornada não tivesse caído, (a taxa de ocupação) teria caído 22%. Então poderia ser pior.

Só que o problema é que não está se dando uma solução definitiva para isso, até porque os recursos fiscais são limitados", afirma o diretor da FGV Social.

Mário Rogério Silva diz que a perspectiva do fim do auxílio emergencial também irá impactar principalmente a população negra, que compõe a maior parte dos trabalhadores informais —um dos grupos beneficiados pelo auxílio.

"Isso só vai aprofundar essa crise que vem caminhando tão fortemente, que está afetando desigualmente a população.

A população negra tem tido um impacto muito forte e a gente não consegue visualizar um caminho melhor se o governo não repensar essa distribuição de renda e esse apoio que, apesar de pequeno, é tão importante para as famílias de baixa renda". afirma o economista.

Fonte: Ricardo Marchesan/Do UOL, em São Paulo

Cooperador  Astrogildo Nunes – astrogildonunes56@gmail.com
Cuiabá e Municípios da Grande Baixada Cuiabana.
E.mail . Jornal.int@gmail.com.br
Site www.brasilintegracao.com.br